sábado, 1 de maio de 2010

Livro de Cabeceira



Por Marta Gama
Imagem: Matadeiro/Florianópolis


Aspiro tão fortemente à liberdade, ainda que não possa vivê-la radicalmente.
receio tudo aquilo que mesmo aparentemente tenha um feição de definitivo.
O definitivo cheira à morte...
Detesto tudo o que me amarra, o que me prende, o que me territorializa, o que me nega a possibilidade do novo, de viver outras vidas, de ser outras pessoas.
Gosto do mambembe, do precário, do nômade, do sempre poder a ser. De esperar algo que nunca vem. Da esperança, do sonho, da ilusão.
Elas preenchem assim meu dia, que floresce sempre com uma proposta nova, onde tudo poderei ser!.
A serenidade, a tranquilidade, a certeza me indagam sobre a permanência. E assim permanecendo me negaria tantas vidas.
É como se o definitivo já cheirasse à morte, e dela quizese escapar.
Me retirando sempre
continuo perseguindo
ser tantas
quantas
nenhuma

Nenhum comentário:

Postar um comentário

compartilhar