domingo, 18 de abril de 2010

Instruções para vivenciar a solidão


Por Fernanda Rezek

Importante pra entender como a solidão pode ser, muitas vezes, confortável. Largue o seu corpo em algum lugar. Largue mesmo, frouxo, solto, preguiçoso. Aterrise todos os seus sentidos; e jogue um foco de luz nas dores da sua tristeza. Deixa o pensamento se transformar numa chuva sem sentido. Assuma o suspense. Nem tão fundo assim, você vai encontrar todos os seus fantasmas; sinta o medo, mas afronte-o; quase todo confronto é enriquecedor. Alimente o seu caos, desorganize-se a ponto de não mais se reconhecer. Pinte, bem na frente dos seus olhos, uma paisagem acolhedora. Entre nela. Tome vinho tinto seco. Viva a textura encorpada, o aperto glandular, o gosto de madeira, o cheiro de antigo. Permita que a nostalgia te afogue. A solidão sempre vem com ela. Remeta-se à consciência da infância, quando ninguém achava que você tinha consciência. Tome mais vinho. Boa música pode ajudar muito. Apegue-se às memórias mais sísmicas; aquelas tão íntimas, que ninguém poderia imaginar. Visualize, como num filme, todas as coisas que são só suas: sua cor favorita, seu grande segredo, o defeito que você adoraria não ter, as noites insones, o choro na chuva, o amor que você não declarou, a calcinha cor da pele. Você vai sentir seus pulmões, um aperto nas têmporas e a umidade nos olhos. Chore intensamente. Deixa os músculos contraírem até não se suportarem mais, e se libertarem com força, como numa catarse.

2 comentários:

  1. Gostei muito do texto, até porque eu acho legal vivenciar a solidão as vezes... colocar uma musica propícia, enfiar a cara no travesseiro e chorar. haha (:

    ResponderExcluir
  2. Intenso e bom. Estar frente a frente com parte de nós que a solidão ora encobre, ora despe é uma necessidade.
    Belo texto.

    ResponderExcluir

compartilhar